A história de Marina


Pedro Reiz, coach acadêmico, desde 2002

Os resultados obtidos pelos pesquisadores nos nossos programas de coaching acadêmico são diversos, uma vez que não se trata do pesquisador participar de grupos de pesquisa de excelência ou pesquisar de modo autônomo, mas de adquirir, desenvolver e praticar certos conhecimentos e habilidades, e conquistar outros ao longo do tempo. A história de Marina (nome fictício) não foi diferente. Ela não tinha nenhuma experiência com docência, atuava na assistência e contribuía com algumas pesquisas quando ingressou em nosso Centro de Treinamento.

1. Marina é uma profissional da área da saúde sem atividades relacionadas ao consumo de texto de modo sistemático nem com produção textual científica. Depois de narrar os motivos que a trouxeram ao nosso programa de coaching, explicamos que é necessário certo tempo para que o pesquisador alcance resultados permanentes, apesar de diversas conquistas serem mais rápidas.

2. Aqueles que buscam apenas soluções para sanar dificuldades imediatas com a tese e o manuscrito, como no caso de Marina, normalmente não participam de qualquer programa de coaching em nosso Centro de Treinamento. De qualquer modo, auxiliamos a profissional em uma atividade que chamamos de “bombeiro”. É evidente que ela apresentou resultados positivos.

3. Aprender, conhecer e praticar conceitos corretos, e as dezenas de técnicas de redação científica, métodos de estudo etc. oferecidos pelo nosso Centro de Treinamento proporcionam resultados satisfatórios, todavia, bloqueios, medos, dúvidas, inseguranças, práticas equivocadas, assimilação de conceitos com desvios (às vezes, mantidos por anos ou "adormecidos"), levam algum tempo para serem superados.

4. Utilizamos com Marina diversos métodos para acelerar seu rendimento, mas é apenas depois de adquirir o tão almejado título de doutor que alguns ingressam em programas de coaching acadêmico especialmente preparados pela Equipe do nosso Centro de Treinamento para o desenvolvimento e aperfeiçoamento de diversas habilidades. É a participação nos programas de coaching que ajuda o pesquisador a desenvolver diversos outros saberes.

5. “Remédios não resolvem”, foi a resposta oferecida a Marina nas primeiras semanas, pois como ela, muitos profissionais da área da saúde costumam recorrer a medicamentos para ajudar a superar algumas dificuldades durante a preparação de tese e manuscrito, como insônia, falta de apetite, estresse, ansiedade... Com isso, queremos esclarecer diversas dúvidas de pesquisadores que nos consultam, por e-mail ou telefone, sobre consumo de medicamentos, porque “julgam” não serem capazes de ler um texto científico, por exemplo, sem dormirem durante a leitura. Não temos o hábito de indicar consulta médica para o consumo de remédios nem qualquer outra forma de terapia porque, nos programas de coaching acadêmico, o candidato adquire técnicas e ferramentas para superar diversos obstáculos, sem remédios!

Para saber mais sobre os programas de coaching acadêmico, entre em contato: www.redacaocientifica.com
Pedro Reiz